Chocolate em outros idiomas

terça-feira, agosto 30, 2011

Criatividade e Simplicidade = Boas Produções

Olá!!! Já estava ficando com saudade, mas sabe como é… niver de marido, feriado, filho, trabalho, casa…  Muita coisa para fazer, graças ao bom Deus. Definitivamente, gostaria de dias de 30 horas. hihi
Enfim, fazendo uma das coisas que mais gosto desde a adolescência (zapear pelos canais… hábito herdado do meu TUDO papai), acabei vendo alguns vídeos bem originais, confesso que o mais antigo deles já havia visto na época, mas não me lembrava do nome da banda.
Enfim, nessa época de astros do Youtube e vídeos com apelo junto ao um grande grupo de pessoas, nada melhor que produzir vídeos simples, mas cheios de criatividade… basicamente o caminho inverso de grandes astros, entretanto é justamente a combinação criatividade + simplicidade que torna prazeroso assistir a essas produções.
Bem, chega de circunlóquios e vamos aos vídeos:
Agora, essa ideia das esteiras é tudo de bom, não?
Lábios vermelhos

Os Elfos e a Visão de John Ronald Reuel Tolkien

Eles também fazem parte dos registros encontrados nos Eddas (já comentado anteriormente), são apresentados com uma classe de seres inferiores aos deuses, entretanto possuidores de muito poder, eram divididos em dois grupos, os elfos brancos/da luz e negros/da noite.

  DSCF2034  DSCF2037

Os primeiros eram extraordinariamente belos, tão brilhantes quanto o sol e trajavam vestes de tecidos delicados e transparentes. Esses amavam a luz, eram amigos dos seres humanos (também se apresentavam na figura de crianças louras)e moradores do Alfheim, domínio de Frey, o deus do sol.

DSCF2014 DSCF2030 

Os elfos negros eram bem diferentes, anões, feios e mantinham uma aparência suja, evitavam a luz do sol, pois os raios do sol os transformavam em pedras. Viviam em cavernas subterrâneas/covas, supunha-se que se originaram das larvas produzidas pelo cadáver em decomposição de Ymir, recebendo posteriormente dos deuses a forma humana e grande inteligência.

Os elfos destacavam-se pelo extremo conhecimento dos mistérios da natureza e letras rúnicas, sendo ainda os mais hábeis artífices no trabalho com metais e madeira, produziram as obras mais notáveis da mitologia nórdica, dentre elas o  Mjölnir (Martelo de Thor) e o navio Skidbldnir, ofertado a Frey.

Mjölnir DSCF2021

Segundo a lenda, esse navio era grandioso, pois comportava confortavelmente todas as divindades com seus artefatos bélicos e utensílios domésticos, mas eis o pulo do gato tão engenhoso que podia ser dobrado e carregado no bolso :O.

DSCF2042-1 DSCF2040

Quem leu o livro ou acompanhou a fantástica saga O Senhor dos Anéis (de John Ronald Reuel Tolkien) deve lembrar-se dos belos elfos de Valfenda. Cá entre nós, ainda acho o melhor filme do Orlando Bloom, afinal, o elfo Legolas Greenleaf é tudo de bom.

 DSCF2029

A habilidade com metais dos elfos e utilizada num momento de grande relevância da obra, alguém precisava consertar Narsil, a espada quebrada do rei Isildul, não? Que foi renomeada para Andúril, após ter sido forjada com os fragmentos da Narsil por Elrond e entregue ao herdeiro de Isildur, Aragorn.

Retificação: Narsil foi reforjada pelos elfos de Imladris (Valfenda), renomeada Andúril (“Chama do Ocidente”) e devolvida a Aragorn (ainda em Imladris).  Ela é reforjada em Valfenda, mas não por Elrond. Apesar dos elfos possuírem grande habilidades com o material, os grandes artífices do metal nas obras de Tolkien eram os anões”. por Lastannë. Grata pela retificação. Smiley piscando

DSCF2024 DSCF2026

Curiosidade: Para criar o estilo élfico de Valfenda no filme, a inspiração veio da arte celta e Art Nouveau, e além de diversas locações externas teve também o desenvolvimento de miniaturas.

DSCF2010DSCF2015

Momento Love It

  DSCF2035

Lábios vermelhos

 

Fontes:

  • O Livro de Ouro da Mitologia, Thomas Bulfinch

quinta-feira, agosto 25, 2011

Divas e seu ‘je ne sais quoi’

Agora que o blog tem um espaço só para as divas, vou definir aqui o critério das divas que serão incluídas no MB, segundo as definições em diferentes dicionários, o significado do termo diva é deusa, divindade; mulher formosa; musa; beldade; cantora notável.

 

Bom, aqui as divas são mulheres que fizeram a diferença na história (positivamente de preferência), que se destacaram em sua área e se tornaram ícones atemporais.

Divas aqui são mulheres que até podem ter passado por uma vida pessoal conturbada, mas que primaram pela excelência de suas ações e que de alguma forma agregaram valor ao seu tempo ou ao seu trabalho.

Acho que o mundo em que vivemos está cheio de mulheres que fazem a diferença para alguém e que dão orgulho a outras mulheres, e algumas vezes, essas divas estão mais perto do que imaginamos.

Ah, só para consolidar essa ideia, acredito que esse comercial do sabonete Lux Luxo representa bem, grande parte das divas do cotidiano, não?

 

Como hoje é sexta-feira, vamos incluir um clipe, ela é considerada uma nova diva da música Pop, faço parte da geração Madonna, Tina Turner (duas divas para mim)… acredito que Beyoncé em alguns anos será uma das grandes divas. No fim das contas, é o tempo que define quem é diva e quem foi somente a moda da época.

No meu conceito particular para ser diva é preciso ser um ícone atemporal, que de uma forma ou de outra dita tendências, ou que realizou algo que provoque um sorriso ao ser lembrado. Diva que é Diva tem um ‘je ne sais quoi’, ou no nosso bom português, tem um diferencial (ziriguidum/borogodó), um “I do not know what”; “indescribable attractive attribute or quality”; “a certain something”.

Enfim, aqui no blog, diva segue a linha dessa significação positiva, afinal, de forma pejorativa tem muita diva autointitulada, mas abafa o caso.

No início do clipe Diva da Beyoncé, também há uma breve definição, uma artista de sucesso e de glamour feminino/personalidade (diva fashion), especialmente uma cantora feminina que alcançou a popularidade (diva pop).

Assim, finalizo o post da semana, um ótimo ‘findi’.

Lábios vermelhos

segunda-feira, agosto 22, 2011

Um Pouco de Cantando na Chuva

Olá… fim de semana chegando e as músicas de hoje são versões da clássica música título do filme de 1952, estrelado pelo TUDO DE MELHOR Gene Kelly.

Essa canção foi escrita por Arthur Freed e composta por Nacio Herb Brown, sendo apresentada pela primeira vez ao grande público em 1929 no filme The Hollywood Revue.

Graças ao Youtube dá para ver um pouquinho, recomendo à leitura das descrições e comentários nas páginas originais das pessoas que postaram os vídeos, pois existem dados bem interessantes. Vale a pena conferir. Smiley piscando

 

Temos uma versão dos 3 tenores que cá entre nós, é uma graça… EMOCIONANTE ver Genne Kelly tão orgulhoso. Polegar para cima

Uma versão mix moderninha, claro.

Ok, ok… versões boas, mas a melhor mesmo….

Nada como a excelência da versão original Alegre

Smiley de boca aberta  Thanks forever Mr. Kelly!!!! Smiley de boca aberta

Lábios vermelhos

segunda-feira, agosto 08, 2011

Os Três Mosqueteiros de Dumas e o Cinema

Bom, Os Três Mosqueteiros já teve diferentes versões (até em desenhos), uma das versões do cinema que acho bem simpática é a versão de 1993 feita pelos estúdios Disney, com Chris O'Donnell, Kiefer Sutherland, Charlie Sheen, Oliver Platt e Rebecca De Mornay (mais uma vez, erraram com a Lady de Winter. Ela nunca se arrepende e é diabólica do começo ao fim do livro).

Aos amantes da boa literatura, indico a leitura da obra original de Alexandre Dumas, um livro cheio de emoção, aventura, comédia e sem sombra de dúvida, uma leitura agradabilíssima. O tipo de livro longo, mas tão gostoso de ler que é difícil soltá-lo antes do final.

Uma coisa é certa a riqueza das personagens no livro é impressionante, acho que por esse motivo é tão complicadinho fazer jus a elas em suas versões cinematográficas, entretanto, devo ressaltar que há sim uma obra cinematográfica que é bem próxima da versão do livro. Trata-se da versão de 1948 “The Three Musketeers”, com Gene Kelly, Lana Turner e Vincent Price.

Até hoje, não assisti nenhum filme tão próximo a versão literária quanto esse, confesso que a 1ª vez que assisti a um trabalho do MARAVILHOSO Gene Kelly foi nesse filme.

Embora, ele não dance ou cante nesse filme, suas habilidades de expressão corporal são otimamente trabalhadas nas cenas de luta, o que dá ao seu D’Artagnan um agilidade e carisma, bem peculiar (super de acordo com o original). Para quem ainda não viu, por favor, vá alugar/comprar essa versão, pois vale os cerca de 126 minutos.

Eis uma palhinha da 1ª cena de luta com D’Artgnan, Athos, Porthos e Aramis… =)

Informações técnicas do filme

  • Direção: George Sidney
  • Roteiro: Robert Ardrey
  • Produção: Pandro S. Berman

Elenco

  • Gene Kelly: D’Artagnan
  • Van Heflin: Athos
  • Gig Young: Porthos
  • Robert Coorte: Aramis
  • Keenan Wynn: Planchet (personagem impagável e frequente no livro)
  • Lana Turner: Lady de Winter
  • Vincent Price: Richelieu

Beijos,

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...